Vida de Bolsonaro será mais difícil em 2022

Presidente Jair Bolsonaro (PP) irá enfrentar uma pedreira e tanto no pleito eleitoral do ano que vem, ocasião em que postulará à reeleição.
A bem da verdade, a vida política de Bolsonaro nunca foi fácil, se levarmos em conta que ele sempre foi o patinho feio da Câmara dos Deputados. Tratava-se do famoso chato, que nunca concordava com nada, e que acabou surfando na onda da moralidade, justamente porque seus principais adversários se atolaram em denúncias de corrupção.
Em 2022, no entanto, não teremos Mensalão, nem Lava Jato, e muito menos o PT no poder. As pedradas de Bolsonaro ficarão bem menos potentes, e será ele o dono da casa com telhado de vidro. Mas, o que de fato mais irá pesar na eleição presidencial do ano que vem será a presença de dois candidatos potencialmente fortes, a serem enfrentados por nosso presidente: Fernando Haddad, do PT, e Luciano Huck, da Globo.
Haddad virá para o pleito eleitoral alicerçado pelos velhos apoiados de Lula, a exemplo do MDB do Norte e Nordeste do país, e de uma dúzia de partidos de esquerda e centro esquerda, que endossaram duas eleições de Lula, e outras duas de Dilma Rousseff, além de apoiadores de centro. Já Huck virá com a Globo.
O problema de Bolsonaro não será chegar ao segundo turno, até porque a direita nacional se unirá a ele em peso a partir deste ano. Seu problema real será enfrentar Haddad e Huck junto no mesmo palanque na segunda etapa da eleição, união esta que colocará do mesmo lado desde políticos moderados do PSDB, até extremistas de esquerda simpatizantes do PCdoB e PSol. Para neutralizar este potencial eleitoral, Bolsonaro precisará convencer o eleitorado brasileiro, necessariamente, que é um presidente realizador. Somente o discurso ideológico não será suficiente desta vez.
Henrique Maciel vai assumir Diretoria da Santur
Ex-prefeito de Praia Grande, Henrique Maciel (PSL), foi convidado e aceitou assumir a Diretoria de Planejamento da Santur. A Santur é o órgão do Governo do Estado responsável pelo turismo em Santa Catarina, e tal diretoria, por óbvio, é a responsável pelo planejamento das ações deste setor por parte do governo catarinense. Via de regra as ações da Santur se dão em consonância com os interesses do chamado Trade de Turismo Catarinense, que é uma espécie de órgão associativo que reúne empresários e investidores do setor turístico estadual.
Convite a Henrique foi feito pelo próprio governador
O convite para que Henrique Maciel assumisse a Diretoria de Planejamento da Santur foi feito pelo próprio governador Carlos Moisés da Silva (PSL), que é correligionário do ex-prefeito. Henrique ressalta que a função lhe dará atribuições por todo o Estado, mas admite que as demandas no setor turístico de nossa região serão encampadas por ele. “Temos que encaminhar a questão que envolve a conclusão da pavimentação asfáltica da Serra do Faxinal, e também darmos atenção especial ao projeto do Geoparque, que envolve vários municípios do Sul do Estado, assim como do Rio Grande do Sul. Estes são temas que terão uma dedicação especial de minha parte”, comenta o ex-prefeito praiagrandense.
Vacinação contra Covid-19 é deficitária e demorada
Vacinação contra Covid-19 continua a passos de tartaruga em nossa região, o que acaba sendo um reflexo do que vem acontecendo em todo o Estado e também país. As vacinas têm chego a conta gostas, e são insuficientes até mesmo para a vacinação daquelas pessoas que compõe grupos de risco. No Brasil, menos de 2% da população já foi vacinada, e em nossa região este percentual não chegou ainda nem a meio por certo. Uma lástima, especialmente para um país que diz se orgulhar se seu sistema público de saúde.
Prefeitos intervém pela SC 285 em Brasília
Presidente da Amesc, o prefeito de São João do Sul, Moacir Teixeira (MDB), liderou comitiva de prefeitos de nossa região durante audiência na Secretaria Nacional de Assuntos Federativos, ontem, em Brasília. O grupo solicitou à representantes do órgão que seja promovida a federalização da SC 285, no trecho entre Sanga da Toca, em Araranguá, e Timbé do Sul. A rodovia, que hoje é estadual, precisa se transformar em uma BR, para que possa receber recursos do Governo Federal, objetivando sua revitalização. Trata-se da rodovia que irá ligar a BR 101 até a Serra da Rocinha, em Timbé do Sul, cuja pavimentação já está quase concluída, com previsão de inauguração ainda este ano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui