Filho fala sobre a morte dos pais no pior ano de sua vida

Solange Rodrigues Valentim era o esteio dos filhos, a parceira de todas as horas, ela morreu aos 47 anos
Publicidade

Em 2020, dois jovens irmãos moradores da Vila Bitencourt, em Santa Rosa do Sul. Lucas, de 20 anos, e Luan Valentim Américo, 23, perderam, em menos de três meses, o pai e a mãe de forma muito parecida

Santa Rosa do Sul

Dois mil e vinte foi um ano difícil, é o que se houve a todo momento. E foi mesmo, devido aos óbitos, tensões e prejuízos à economia mundial provocados pela pandemia do novo coronavírus.

Para algumas pessoas, porém, o ano passado foi mais do que difícil, foi de perdas tão intensas que é impossível avaliar o tamanho da dor. Foi assim para dois jovens irmãos moradores da Vila Bitencourt, em Santa Rosa do Sul. Lucas, de 20 anos, e Luan Valentim Américo, 23, perderam, em menos de três meses, o pai e a mãe de forma muito parecida.

O Correio do Sul divulgou estas notícias na época, mas somente agora, um ano depois, um dos rapazes fala sobre o assunto.

O réveillon de 2019 para 2020, quando o novo vírus ainda não havia chegado ao Brasil, foi comemorado com festa pelos jovens. No entanto, já no dia 2 de janeiro as esperanças de um 2020 cheio de alegria foram abaladas. Os irmãos foram comunicados que o pai deles, Donato Américo, de 59 anos, tinha sofrido um aneurisma cerebral e estava no hospital. Donato era separado da mãe de seus filhos e morava com os próprios pais em Jacinto Machado. Luan e Lucas se deslocaram para lá, mas não puderam ver o pai, que estava sendo transferido para o Hospital Regional de Araranguá, de onde também foi logo encaminhado para o São José de Criciúma. Os filhos foram para lá e aguardaram a ambulância, no entanto, o pai não tinha mais nenhuma reação. “Ele não viu a gente e não pudemos dizer nada para ele. Acredito que quando saiu do Regional ele já estava com morte cerebral”, conta Luan.

Enquanto aguardavam as avaliações médicas, os jovens tiveram a companhia da mãe. Luan lembra que chovia muito naquele dia e que mandou mensagem à mãe dizendo que ela  não precisaria sair de Santa Rosa e ir até Criciúma, pois tios e primos estavam com eles no hospital. “Mas ela foi, chegou lá toda molhada, pra ficar com a gente”.

Quando a morte cerebral de Donato foi confirmada, a equipe médica falou à família sobre doação de órgãos, e os filhos concordaram. “Da nossa dor, podíamos fazer algo pelos outros”, diz Luan. Aquela doação foi a primeira do ano em Santa Catarina.

Mais uma tragédia

A morte repentina do pai foi sendo superada com o amor da mãe. Solange Rodrigues Valentim de 47 anos era o esteio dos filhos, a parceira de todas as horas. Os três moravam juntos e eram bastante unidos. “Antes de sair de casa, a gente fazia o sinal da cruz na testa dela e ela na nossa e dizíamos ‘eu te amo'”, descreve Luan.

Foi o que fizeram no feriado de Carnaval, ao pegar a estrada para Laguna com amigos. Os jovens estavam lá quando foram avisados que Solange tinha passado muito mal em casa, com uma terrível dor de cabeça e vômito. Levada ao hospital Dom Joaquim de Sombrio, foi em seguida transferida para o Regional de Araranguá e de lá para o São José. Vindo de Laguna, Luan já ficou no hospital à espera da mãe. “Parecia mentira que eu estava de novo na mesma rampa daquele hospital esperando uma ambulância”. Mas desta vez, quando o veículo trazendo Solange chegou, o sentimento do rapaz foi de esperança. Enquanto o pai estava inconsciente, a mãe falou com ele, o abraçou e perguntou por Lucas. “Nossa, aquilo me deu tranquilidade, beijei muito ela e achei que tudo daria certo”, explica. Mas não deu. Solange teve um aneurisma hemorrágico, passou por três cirurgias, permaneceu mais de 20 dias internada e faleceu. Enquanto ainda podia falar, disse ao filho que não queria ficar vegetando numa cama e que gostaria de doar seus órgãos. Os filhos respeitaram a sua vontade, dessa vez, com maior relutância.  Segundo Luan, o irmão mais novo se agarrava à esperança de um milagre que salvasse a mãe. Por fim, se conformou com a situação e os órgãos de Solange foram captados depois de declarada sua morte cerebral.

Solange estava internada quando teve início o isolamento provocado pelo coronavírus, em março, e os filhos ficaram alguns dias sem visitá-la. Quando ficou claro que o estado dela era extremamente grave, a equipe médica, que menos de três meses antes tinha acompanhado o drama dos irmãos com o pai, permitiu que eles entrassem para se despedir da mãe. “A mãe esteve na UTI duas vezes, foram mais de 12 dias, e tenho quase certeza de que na primeira vez ela ficou no mesmo leito do pai”, declara Luan.

Os irmãos continuaram morando na mesma casa, cercados pela família, que foi o maior consolo. A avó mora ao lado e ‘toma conta’ dos dois, assim como tias e tios próximos. Os amigos também foram fundamentais para enfrentar tanta dor.

Luan mantém no WhatsApp as conversas com a mãe, áudios em que pode matar a saudade da voz dela, somente o Facebook de Solange, cheio de fotos dos três, não tem coragem de olhar. “Quando ouço alguém dizendo que 2020 foi um ano ruim eu penso: imagina para nós. Mas o jeito é seguir em frente, sabendo que no meio de tanta tristeza ajudamos outras pessoas. Um pedacinho do pai e da mãe estão por aí, fazendo alguém feliz”, finaliza.

Donato Américo morreu aos 59 anos, ele estava separado da mãe de Lucas e Luan e morava com os pais

1 COMENTÁRIO

  1. Muito triste,tbm perdi meu pai dia 03/10/2020, vítima de AVC,tudo aconteceu em menos de 24 h,ele tava no Ceará tentando se aposentar,meu coração dói ao lembrar dele.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui