Homem é condenado a mais de 24 anos de prisão em Araranguá

Além de Adriano, outras duas pessoas foram julgadas e condenadas ontem. Crimes aconteceram no bairro Santa Catarina, em Araranguá
Publicidade

Adriano Vargas Marques matou o tio da ex-mulher e tentou matar mais dois familiares dela, para não pagar pensão alimentícia. O crime aconteceu em março de 2019, em Araranguá e seu julgamento encerrou ontem

 

Araranguá

Publicidade

Adriano Vargas Marques, de 30 anos, foi a júri popular nesta quarta e quinta-feira, dias 3 e 4, no Fórum da Comarca de Araranguá, pelo assassinato de Reginaldo Felisberto, aos 43 anos, no dia 29 de março de 2019. O crime ocorreu no bairro Santa Catarina, às margens da BR 101, próximo da Balança, em Araranguá e Reginaldo era tio da ex-mulher do réu.

Adriano também respondeu por duas tentativas de homicídio. Além dele, a sua mulher e outro homem, que estava junto no momento do assassinato, sentaram no banco dos réus nesta quarta e quinta e responderam por crimes relacionados com os de Adriano.

Segundo a denúncia, alguns dias antes dos crimes, Adriano e a mulher ameaçaram a ex-companheira do réu, para que ela assinasse recibos de quitação de pagamento de pensão alimentícia. As ameaças foram feitas mais de uma vez e envolveram parentes da ex-mulher de Adriano, em mensagem de WhatsApp para o irmão dela, Adriano diz: “Na real, é o seguinte, se tu gosta da tua irmã troca uma ideia com ela […], porque eu não vou cair na cadeia por pensão, se eu for pra cadeia eu vou cair por homicídio, pode ter certeza disso”.

Além das ameaças, a ex-mulher de Adriano também apanhou da atual mulher dele, um dia antes do homicídio, para que ela desistisse do processo de execução de alimentos contra o réu.

Após as ameaças e agressões, Reginaldo (o tio da ex-mulher de Adriano e vítima do homicídio) foi até a casa do réu para questioná-lo sobre as ameaças e agressões que ele praticara contra a sobrinha. A esposa de Reginaldo e seu filho foram juntos com ele. Ao chegarem na casa de Adriano, no bairro Santa Catarina, em Araranguá, todos foram recebidos a tiros.

O filho de Reginaldo ficou ferido na perna a esposa conseguiu escapar sem lesões, segundo a denúncia, os dois só não foram mortos junto com Reginaldo, por circunstâncias alheias a vontade do réu. Já Reginaldo foi assassinado com um tiro no peito, ele também levou um tiro na nádega e teve outros ferimentos.

O Júri iniciou na manhã de quarta-feira e só terminou durante a madrugada de quinta.

Condenação

Adriano foi condenado a pena de 23 anos de reclusão, em regime fechado, e ao cumprimento da pena privativa de liberdade de um ano e três meses de detenção, em regime aberto, pelos crimes de homicídio e tentativa de homicídio.

A mulher de Adriano, que foi julgada junto com ele, foi condenada a um ano de reclusão, em regime aberto, a três meses de detenção, em regime aberto, por crimes relacionados aos dele. Outro homem, que também foi julgado junto com o casal, foi condenado a pena privativa de liberdade de três anos de reclusão, em regime aberto, por crime relacionado ao de Adriano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui