quinta-feira, 18 DE julho DE 2024
GeralMinistério da Saúde pede que Estados guardem segunda dose da Coronavac

Ministério da Saúde pede que Estados guardem segunda dose da Coronavac

spot_imgspot_img
Publicidade

O Ministério da Saúde, por meio de nota técnica, pediu que os Estados e municípios guardem a segunda dose da Coronavac, fazendo jus à remessa chegou em solo brasileiro na manhã desta quarta-feira (24).

O país recebeu 1,2 milhão de doses do imunizante e outras 2 milhões de unidades da Oxford/AstraZeneca.

As doses da Coronavac devem ser utilizadas com parcimônia pelos estados e municípios, pois deverão ser destinado à aplicação das duas doses da vacina, conforme alertou a pasta federal da Saúde.

ministério; saúde; estados; guardem; coronavacAs doses foram encaminhadas às 17 UDVES do Estado – Foto: Ricardo Wolffenbuttel/Secom/Divulgação/ND

De acordo com o Ministério, o intervalo de duas a quatro semanas entre a aplicação das doses deve ser respeitado e os gestores da saúde devem considerar, ao vacinar a população, que “ainda não há um fluxo de produção regular do imunizante” no Brasil, buscando “evitar prejuízos”.

“Considerando que ainda não há um fluxo de produção regular da vacina, orienta-se que a D2 [dose 2] seja reservada, para garantir que o esquema vacinal seja completado dentro desse período, evitando prejuízo nas ações de vacinação”, ressaltou a pasta no documento, publicado também nesta quarta (24).

Sobre a vacina de Oxford/AstraZeneca, o ministério afirmou que a remessa recebida corresponde apenas à entrega da primeira dose.

O órgão federal esclareceu ainda que as unidades referentes à segunda aplicação serão entregues posteriormente, respeitado o intervalo de 8 a 12 semanas entre as duas doses.

“Ressalta-se que o quantitativo correspondente a D2 da vacina AstraZeneca/Fiocruz será distribuída às UFs em prazo oportuno, a fim de completar o esquema vacinal. É importante destacar que o intervalo entre as D1 e D2 de oito a doze semanas está preservado e deverá ser observado, conforme consta no PNO e bula da vacina”, destacou o Ministério.

Orientação para que Estados guardem doses contradiz FNP

A decisão de se reservar unidades para a segunda dose contradiz uma informação fornecida por dirigentes da FNP (Frente Nacional dos Prefeitos), na última sexta (19).

Naquele dia, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, reuniu-se com os integrantes do grupo para debater mudanças no cronograma da imunização.

Segundo o presidente da FNP, Jonas Donizette, Pazuello garantiu que o ministério aplicará, inicialmente, apenas uma dose do imunizante a cada brasileiro, com a remessa de 4,7 milhões de vacinas que deve chegar ao país entre os dias 24 e 28 de fevereiro.

Do total, 2 milhões são de doses da Oxford/AstraZeneca/Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Os outros 2,7 milhões são da Coronavac.

O ministro teria informado que a segunda dose seria administrada com a vacina produzida no Brasil, que deve ser fabricada a partir do mês de março.

Nesta quarta (24), porém, o Ministério da Saúde voltou a recomendar a reserva de unidades para a segunda aplicação.

Distribuição nos Estados

De acordo com a pasta, todos os estados e o Distrito Federal começaram a receber 2 milhões de doses da vacina da AstraZeneca/Oxford e 1,2 milhão de unidades do imunizante Coronavac, do Instituto Butantan.

Devido à situação das redes de saúde do Norte do país, os estados dessa região vão obter 5% do total de doses de vacinas disponíveis, por meio de um fundo estratégico, para diminuir o aumento de óbitos no local.

Desse recorte, a maior parte será entregue ao Amazonas (70%). Além disso, 20% serão enviados ao Pará e os outros 10% ficarão com o Acre.

O documento aponta que a distribuição de doses será feita da seguinte maneira:

  • Região Norte: 93,2 mil doses do Instituto Butantan; 163,5 mil doses de Oxford/AstraZeneca;
  • Região Nordeste: 287 mil doses do Instituto Butantan; 482,5 mil doses de Oxford/AstraZeneca;
  • Região Sudeste: 557,8 mil doses do Instituto Butantan; 934,5 mil doses de Oxford/AstraZeneca;
  • Região Sul: 197,8 mil doses do Instituto Butantan; 297 mil doses de Oxford/AstraZeneca; e
  • Região Centro-Oeste: 64,8 mil doses do Instituto Butantan; 122,5 mil doses de Oxford/AstraZeneca.

(Fonte: ND Mais)


spot_img

Matérias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.