Pelo Estado | Governo estuda como liberar os R$ 100 milhões para a SC-470

Nadal contou detalhes de como Moisés apresentou a proposta de mais R$ 100 milhões para a BR-470 | Foto Agência Senado

Na sessão da Assembleia Legislativa da última quarta-feira, 18, o presidente Mauro de Nadal (MDB) contou detalhes de bastidores de que como surgiu a proposta de oferecer mais R$ 100 milhões para as obras da BR-470, durante a reunião da Comissão de Infraestrutura do Senado Federal, na última terça-feira (17), em Brasília. O objetivo era solucionar o impasse e garantir a continuidade dos serviços numa das mais importantes rodovias de Santa Catarina. Conforme Nadal, a proposta foi apresentada “aos 45 minutos do segundo tempo”. Dessa forma, o Governo do Estado garantiu mais R$ 50 milhões para o lote 3 e R$ 50 milhões para o lote 4, ambos entre Gaspar e Indaial. Com os R$ 200 milhões assegurados para os lotes 1 e 2 (Navegantes-Gaspar), boa parte do trecho duplicado deverá ser entregue aos usuários até a metade de 2022.

O ministro Tarcísio Gomes de Freitas explicou a necessidade de investimentos nos lotes 3 e 4 por conta de desapropriações. Como a lei aprovada na Alesc impede que os recursos estaduais sejam usados para este fim, o DNIT vai fazer uma engenharia que prevê usar o dinheiro da União para pagar as desapropriações e aplicar os recursos estaduais na obra em si. “Desapropriação faz parte da obra. Se eu não pagar para quem era dono do terreno, não tenho como tocar a obra”, simplificou Gomes de Freitas.

Agora é correr contra o tempo. “Empenhamos a palavra de ter uma tramitação célere. Já faço o apelo para que possamos caminhar juntos nesse projeto também”, disse Mauro de Nadal logo na primeira sessão após o encontro em Brasília. A Casa Civil estuda encaminhar para Alesc, provavelmente na próxima semana, como um Projeto de Lei ( PL) que autoriza a abertura de crédito especial em favor da Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade.

Cerveja SC

Cerveja totalmente produzida no estado foi apresentada ao governador | Foto Divulgação/Secom

A primeira cerveja com ingredientes 100% catarinenses já está no mercado: o rótulo da Toda Nossa foi apresentado ao governador Carlos Moisés. A cerveja foi desenvolvida por meio de uma parceria entre a Secretaria da Agricultura, a Epagri, a Udesc, as cervejarias Ambev e Lohn Bier, a prefeitura de Lages e a Associação Brasileira de Produtores de Lúpulo (Aprolúpulo). O líquido contém malte de cevada, leveduras e lúpulo produzidos em SC, cujo desafio é o desenvolvimento da produção. Para tanto, Uma Fazenda Modelo foi instalada em Lages, .

Projeto do MPSC é finalista

O projeto “Dados contra a Covid-19”, coordenado pelo Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos e Terceiro Setor (CDH) e pelo Núcleo de Inovação do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) está entre os três finalistas da categoria “Integração e articulação” Prêmio CNMP 2021. A lista com 27 programas classificados foi divulgada pela Comissão de Planejamento Estratégico do Conselho Nacional do Ministério Público (CPE/CNMP). O projeto organizou dados e desenvolveu produtos que auxiliassem a atuação dos órgãos de execução do MPSC. A iniciativa é o resultado da integração entre o MPSC, Governo do Estado, TJSC, Ciasc, Social Good Brasil, UFSC e Cosems.

Gargalo

Em meio à discussão sobre a duplicação BR-282 na audiência pública em Brasília, o deputado federal Hélio Costa (Republicanos) destacou a necessidade urgente de duplicação do trecho que vai da BR-101, em Palhoça, até Santo Amaro da Imperatriz. O parlamentar afirmou que o grande afogadilho da rodovia, entre Lages e Florianópolis, são estes 20 km. “A via federal passa pelo perímetro urbano de Santo Amaro e o gargalo já começa lá embaixo na 101. Por que não duplicam? Tem que colocar como prioridade”.

Maria da Penha

A deputada estadual Marlene Fengler (PSD) lembrou, durante sessão realizada esta semana na Assembleia Legislativa, a passagem dos 15 anos de vigência da Lei Maria da Penha e ressaltou os desafios que as mulheres enfrentam. No caso do feminicídio, Marlene informou que em Santa Catarina de 2016 a 2019 foram registrados 206 mortes; em 2020 foram 54 e no primeiro semestre de 2021, 54 mulheres foram mortas. “Em junho o TJSC expediu 570 medidas protetivas de urgência, uma média diária de 36 mulheres com medo de feminicídio”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui